Mais uma série no playlist: House of Cards

Comecei a assistir mais uma série de TV neste mês de maio, a 5ª desse ano. De janeiro pra cá, já foram The Walking Dead (5ª temporada), Vikings (3ª temporada), Game of Thrones (1ª e 2ª completas, 3ª e 5ª temporadas em andamento), Lost (1ª, 2ª e 3ª temporada completas, 4ª em andamento) e agora a 3ª temporada de House of Cards.

House of Cards é uma série política protagonizada por Kevin Spacey que mostra a tragetória de seu personagem do Congresso norteamericano até a cadeira de presidente dos Estatos Unidos, sem ter recebido um voto sequer pelos eleitores americanos.

A temática política nunca me pareceu capaz de proporcionar uma série tão interessante, principalmente quando minha preferência se dá por séries épicas ou de fantasia. É a primeira do gênero que assisto e o que mais me agrada é a trama do personagem, sua inteligência e ambição amoral, reflexões sobre poder, o papel da mídia no contexto político atual e as articulações de Frank Underwood (Kevin Spacey).

Uma particularidade da série que também se destaca são as interações entre o protagonista e o espectador. Essas interações acontecem em diversos momentos da série, normalmente revelando um pensamento de Francis ou uma leitura sua sobre o que está acontecendo. Imagine o seguinte: Francis está negociando com uma liderança partidária, tentando angaria votos para sua causa, faz uma proposta e, antes que o outro personagem responda, ele se vira para a câmera e revela a você o seu plano e qual a provável resposta de seu interlocutor. Essa dinâmica te coloca na história, quase como um cúmplice de seus planos e ambições.

houseofcards dialogo

Outro recurso narrativo bastante utilizado na série e também interessante são as trocas de mensagens de celular. Enquanto o personagem digita, um balãozinho salta sobre a cena relevando o texto digitado. Vi esse recurso pela primeira vez no filme Chef (2014), então não foi uma novidade pra mim, mas isso é, sem dúvida, mais um dos detalhes característicos da série.

houseofcards mensagens

Aviso: Spoiler no próximo parágrafo 

Sobre a 3ª temporada especificamente, a série mantém a mesma tônica, desta vez com o Frank lutando para se manter no poder e cumprir o desejo de marcar seu nome na história dos Estados Unidos. Assisti aos dois primeiros episódios e nenhuma grande surpresa foi apresentada. A primeira-dama Clair Underwoody não conseguiu nomeação para embaixadora dos EUA e acho que não deve conseguir nada expressivo até o fim da temporada. Frank não é considerado pela liderança do partido para se reeleger nas próximas eleições e vamos ver o que ele nos reserva para conseguir se manter no poder. No 1º episódio da 1ª temporada ele diz que o poder é uma questão de distância: quanto mais perto da fonte, maior seu poder. E ele deve se manter bem perto disso. Doug Stamp é minha aposta de surpresa para a temporada. O primeiro episódio reservou bons minutos para mostrar o seu drama. Fora isso, a trama deve manter seu nível de qualidade de roteiro e estética.

  • Minha nota: estrelaestrelaestrelaestrelaestrela
  • Nota dos leitores:
    1 1 1 1 1

House of Cards está disponível na íntegra no Netflix (1ª, 2ª e 3ª temporadas). Veja abaixo o trailer da 1ª temporada:

Mais informações sobre House of Cards.

Já assistiu a série? O que você acha que a 3ª temporada pode trazer de novo? Deixe seu comentário!

e-max.it: your social media marketing partner

Tags: house of cards, series, teve, recomenda